• Vereador Thiago K. Ribeiro

LEI Nº 6.514/2019

A cidade do Rio é que agradece. Nada mais justo do que eternizar no Sambódromo o nome deste ícone do samba. E o Vereador do Rio de Janeiro Thiago K. Ribeiro lembra, para quem não sabe, que foi o próprio Mestre Candonga quem criou este segundo recuo da bateria para que os ritmistas pudessem fazer uma "pausa" e hidratar.


EMENDA: Dá o nome de Espaço Candonga (José Geraldo de Jesus, Sambista - 1920/1997) ao segundo recuo da bateria, localizado na Rua Marquês de Sapucaí, Sambódromo, no Bairro do Santo Cristo.

Autor: Vereador Thiago K. Ribeiro

Art. 1º O Poder Executivo dará o nome de Espaço Candonga (José Geraldo de Jesus, Sambista - 1920/1997), ao segundo recuo da bateria, localizado na Rua Marquês de Sapucaí, Sambódromo, no Bairro do Santo Cristo.


Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Câmara Municipal do Rio de Janeiro, 28 de março de 2019.


JUSTIFICATIVA

De acordo como o Dicionário Aurélio, Candonga significa intriga, mexerico e ao mesmo tempo afagos e mimos. No mundo do samba, o verbete ganha outra definição: um mulato de 1,84 m de altura, 130 quilos, com o nome de batismo José Geraldo de Jesus, que durante quase 50 anos, fiscalizou e organizou, sempre de toalha em punho, as baterias das escolas de samba durante os desfiles do Carnaval carioca.


Tinha trânsito livre em todas as escolas de samba e coordenava os desfiles do Carnaval, era muito conhecido por ser a única pessoa com autorização para estacionar o seu veículo atrás do segundo recuo da bateria, possuía o costume de distribuir bebidas para os foliões.


Na década de 50 foi trabalhar na Secretaria de Turismo, dentre sua incumbências, tinha a responsabilidade de ser o guardião da chave da cidade, a mesma que todos os anos o Prefeito entrega ao Rei Momo na abertura do Carnaval carioca.


Em 26/03/1997, Candonga faleceu, deixando esposa Maria Aparecida Alves de Jesus, dois filhos, Mauricio George S. de Jesus e Maria Cristina S. de Jesus, e as netas Amanda Georgia B. de Jesus e Aline Georgia B de Jesus.


Infelizmente Candonga não está mais entre nós, no entanto, sua memória está mantida através do Instituto Cultural Candonga, entidade sem fins lucrativos que atua principalmente no seguimento do samba. A instituição realiza diversas ações culturais, atendendo mais de 200 crianças carentes, com formação de crianças e jovens.


Dessa forma, o presente projeto de lei tem por objetivo reconhecer a memória de Candonga e de toda sua atuação na cultura carioca, dando nome de Espaço Candonga ao Segundo Recuo da Bateria do Sambódramo.

0 visualização